"As enxurradas dos últimos dias, que transportaram cinzas do incêndio de Pedrógão Grande para junto da captação, que é feita à superfície, está a perturbar o abastecimento público desde sexta-feira", explicou Rui Rocha.

O autarca adiantou que o abastecimento dos principais reservatórios de distribuição está a ser efetuado com o recurso a seis autotanques, de forma a minorar a situação que afeta cerca de 90% do concelho.

Apenas uma ponta do município não tem problemas, porque é abastecida por uma captação do concelho vizinho de Alvaiázere, referiu Rui Rocha.

Neste momento, acrescentou, já existem algumas localidades sem água, uma vez que os autotanques não conseguem repor o volume suficiente para os consumos da população.

"Não sabemos quando é que a água fica em condições", frisou o presidente do município de Ansião, que se viu obrigado a recorrer a um "plano B" para minorar os problemas à população.

A captação de água de Ansião situa-se na Ribeira de Alge, afluente do Rio Zêzere, no concelho de Figueiró dos Vinhos, que foi bastante afetado pelo incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho.

Esta manhã técnicos da empresa Águas do Centro Litoral estiveram junto à captação a recolher amostras para analisar a possibilidade de ser adicionado algum reagente que possa depurar e tratar a água.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.