O galardão é entregue na sessão de abertura da 9.ª edição do Festival Internacional de Poesia de Bucareste, organizado na capital romena para assinalar um século da reunificação da Roménia, na Grande Biblioteca Universitária Carol I, segundo nota das Publicações D. Quixote enviada à agência Lusa.

Na cerimónia participam o ministro da Cultura e da Identidade Nacional, Ivascu George Vladimir, o presidente da câmara de Bucareste, Sorin Oprescu, o poeta e tradutor Dinu Flamand e o diretor do Museu Nacional de Literatura Romena, Ioan Cristescu.

Após a entrega do galardão e dos discursos, no mesmo cenário, António Lobo Antunes e Dinu Flamand, em sessão aberta, dialogam sob o mote “Ainda precisamos de literatura?”.

No dia 15, é apresentada a edição romena do romance de Lobo Antunes, “Sôbolos Rios Que Vão” (2010), pela editora Humanitas, que inclui uma sessão de autógrafos, segundo a mesma fonte.

Além de Lobo Antunes, a poeta Eugénia de Vasconcellos é outra autora portuguesa convidada a participar no Festival Internacional de Poesia.

Durante uma semana, as ruas de Bucareste vão encher-se de versos e poetas, com a participação de mais de 150 escritores de todo o mundo num festival, cujo programa prevê leituras públicas, debates, mesas-redondas, apresentação de livros e concertos.

Eugénia de Vasconcellos é autora de "O Quotidiano a Secar em Verso", publicado em 2016, mas também do ensaio "Camas Politicamente Incorrectas da Sexualidade Contemporânea", tendo traduzido a poesia de Claude Le Petit, reunida em "O Bordel das Musas".

Vasconcellos é ainda autora da versão do "Cântico dos Cânticos", incluída na coleção Livros Amarelos, num volume com o "Manual de Civilidade para Meninas", de Pierre-Félix Louÿs.

António Lobo Antunes, 75 anos, estreou-se literariamente em 1979, com "Memória de Elefante", obra que vai já na sua 30.ª edição, segundo a mesma fonte.

Em pouco mais de um ano, seguiram-se "Cus de Judas" (1979), "Conhecimento do Inferno" (1980) e "Explicação dos Pássaros" (1981).

De "Fado Alexandrino" (1983) e "Auto dos Danados" (1985), até "Da Natureza dos Deuses" (2015) e "Para Aquela Que Está Sentada no Escuro à Minha Espera" (2016), António Lobo Antunes soma mais 23 romances, num total de 27, incluindo vários livros de crónicas e um livro para crianças - "A História do hidroavião" (1994), ilustrado por Vitorino -, entre outras obras.

O escritor foi distinguido com o Prémio Camões, o Grande Prémio de Romance da Associação Portuguesa de Escritores, que recebeu por duas vezes (por "Auto dos Danados" e "Exortação aos crocodilos"), o prémio de Literatura Europeia da República Austríaca, o Prémio da União Latina, pelo conjunto da obra, os prémios Juan Rulfo e Rosalía de Castro, o Prémio Melhor Livro Estrangeiro publicado em França ("Manual dos Inquisidores"), entre outras distinções.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.