O caso deu-se esta terça-feira, 23 de fevereiro, quando o Vox, partido de extrema-direita liderado por Santiago Abascal, avançou com uma proposta de lei no Congresso dos Deputados (a câmara baixa do Parlamento espanhol) para a “violência intrafamiliar”, afirmando-se como querendo “desfazer e corrigir os abusos da lei de violência de género”, considerando que viola “direitos civis” e “discrimina homens”, noticia o El País.

Em resposta, todo o Parlamento espanhol se uniu para rejeitar a iniciativa. Os grupos de esquerda recusaram, inclusive, debater a proposta, optando antes por ler um mesmo texto — com ligeiras alterações entre si — e enumerar as 1.081 mulheres que já foram assassinadas em Espanha desde 2003.

Essa estratégia, aliás, já tinha sido usada pelo próprio Vox em outubro, quando o partido de extrema-direita usou a sua intervenção no debate da moção de censura em outubro para enumerar as vítimas das ações terroristas da ETA.

Desta vez, o mote foi dado pela deputada Mireia Vehí, do CUP — partido independentista da Catalunha —, que foi a primeira a tomar a palavra. “Em memória das 1.081 mulheres assassinadas desde 2003 no Estado, e diante daqueles que tentam negar a realidade, do nosso grupo queremos dizer em alto e bom som que a violência machista tem género”, disse, lendo os nomes das mulheres e iniciando a sequência de respostas.

Seguiu-se a leitura do mesmo texto — por vezes em galego ou catalão — por parte de representantes de EH Bildu, PNV, BNG, Compromís, PDeCAT, Junts, Unidas Podemos, e por fim, PSOE.

Os representantes da direita parlamentar, o PP e o Ciudadanos, optaram por não participar na iniciativa e foram os únicos a responder formalmente à proposta de lei, mas a sua posição foi rejeitá-la também e uniram-se nos aplausos à leitura dos textos. Alicia García, deputada do PP, chamou ao diploma do Vox  “negação da violência machista”.

Após a última leitura do texto, por parte de Lidia Guinart, deputada do PSOE, todas as bancadas do Parlamento se levantaram para aplaudir — à exceção do Vox — durante dois minutos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.