Em declarações aos jornalistas, o chefe da equipa da transição de Biden, Yohannes Abraham, disse que está “preocupado por saber” de um “fim repentino” de uma “cooperação já limitada neste assunto”.

O Presidente cessante, o republicano Donald Trump, continua sem reconhecer a vitória do democrata nas presidenciais de 03 de novembro, mesmo depois de o Colégio Eleitoral ter confirmado a vitória de Biden com 306 grandes eleitores.

O Secretário da Defesa dos EUA, Christopher Miller, anunciou hoje, em comunicado, que o Pentágono e a equipa de transição de Biden “concordaram mutuamente” em fazer uma pausa “para o feriado” ao nível das reuniões com oficiais militares.

Contudo, este acordo mútuo foi desmentido por Abraham, que acrescentou que “o fracasso no trabalho conjunto” poderá levar a “consequências muito além” da posse de Joe Biden, agendada para 20 de janeiro de 2021.

Este último ‘soluço’ no processo de transição da administração Trump para o executivo Biden ocorre depois de ser conhecido um enorme ataque informático contra infraestruturas dos Estados Unidos, nomeadamente a rede de distribuição elétrica e o armamento nuclear, com origem potencialmente na Rússia.

Donald Trump, que ainda é o chefe de Estado em exercício, ainda não comentou o ataque informático confirmado pelo Departamento da Defesa e também não respondeu aos comentários de figuras políticas e de empresas especializadas em segurança cibernética, que dão conta de que é Moscovo que está por detrás deste ataque.

“Não há tempo a perder”, advertiu Abraham, já que este ataque representa uma “grande preocupação” e sob a égide de Biden, estes ataques teriam consequências de um “custo substancial”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.