Em nota, a diplomacia russa relatou que Lavrov disse a Tillerson que atacar "um país que luta contra o terrorismo é fazer o jogo do terrorismo" e "cria ameaças para a segurança regional e mundial".

Lavrov também reiterou a posição russa de que o governo sírio não é responsável pelo suposto ataque químico que deixou dezenas de mortos esta semana em Khan Sheikhun, na província de Idleb.

As acusações "não se ajustam à realidade", frisou Lavrov.

Tillerson visitará a Rússia nos dias 11 e 12 de abril. Segundo a porta-voz do Ministério russo das Relações Exteriores, Maria Zakharova, durante sua estadia, as autoridades de Mosvoco vão lhe pedir "explicações" sobre o bombardeamento.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.