Na tarde desta quarta-feira, quando questionado pela SIC Notícias sobre quando é que Portugal pode enviar tanques de guerra Leopard 2 para a Ucrânia, após a decisão da Alemanha, o ministro João Gomes Cravinho começou por notar que “o importante é que está assumido este compromisso”. Nesse sentido, disse ainda que o envio dependeria "da formação das forças ucranianas", o que poderia "demorar semanas", além de aspectos logísticos que precisariam "de ser combinados com os aliados".

No entanto, o ministro veio pouco depois veio corrigir estas declarações dizendo que nada está ainda decidido sobre o efetivo envio de tanques Leopard 2 por parte de Portugal. "Não há nenhuma decisão de envio de carros de combate [Leopard 2] por Portugal à Ucrânia", clarificou.

"Reconhecemos que há aqui um dado novo que é o envio de uma nova capacidade de defesa para Ucrânia (...) e no caso de Portugal, já manifestámos a nossa disponibilidade para participar nesse processo, nomeadamente, através do treino de militares ucranianos em Portugal. Como se sabe, Portugal também tem carros de combate Leopard, trata-se de equipamento sofisticado, com um nível tecnológico elevado, portanto o treino é fundamental, e Portugal participará desse esforço", acrescentou.

Em seguida, a ministra da Defesa, veio corroborar este compromisso: "Estamos a consultar os nossos parceiros e aliados para avaliar a situação e as diferentes modalidades para ajudar. Desde a manutenção, à manobrabilidade. O treino está garantido", sublinhou.

Estas declarações têm lugar depois da Alemanha ter autorizado o envio de carros de combate Leopard 2 para a Ucrânia. O país, que detém os direitos sobre estes blindados enquanto construtora, vai enviar 14 tanques numa primeira fase. A Alemanha aprovou ainda os pedidos de outros países no mesmo sentido, de acordo com um porta-voz do executivo de Berlim.

"Esta decisão segue a nossa linha conhecida em apoiar a Ucrânia da melhor maneira possível. Atuamos internacionalmente de maneira altamente coordenada", declarou o chanceler alemão, Olaf Scholz, citado pelo seu porta-voz, Steffen Hebestreit.

Na quinta-feira, 19 de janeiro, Zelensky, que pediu cerca de 300 blindados, já tinha manifestado a vontade de países europeus em enviar estes super blindados. "Eles estão motivados e apoiam-nos, mas estão à espera de um documento correspondente daqueles estados que têm o direito de concedê-lo”, disse o presidente da Ucrânia.

“A Polónia está pronta e, para ser honesto, Finlândia, Portugal, Espanha, e outros países estão prontos para fornecer-nos um pequeno número de tanques que eles têm ao serviço”, acrescentou Zelensky, adiantando que faltava apenas o consentimento da Alemanha, país fabricante e detentora dos direitos que veio agora autorizar esse envio.

Neste momento, não se sabe quantos Leopard 2 Portugal poderá enviar. O exército português tem 37 destes blindados, mas de acordo com a SIC Notícias, apenas 12 estão totalmente operacionais. Os restantes 25 blindados nunca foram utilizados por questões de ordem técnica, refere o mesmo canal.

(notícia atualizada às 18h44)

*com Lusa

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.