“Queria apoiar o candidato nomeado pelo nosso partido. Não era a minha escolha, mas como candidato nomeado no passado, pensava ser importante e respeito o facto de Donald Trump ter ganho a maioria dos delegados pelas regras em vigor no nosso partido. Pensava que devia esse respeito aos seus apoiantes”, refere uma declaração de McCain, o último de um crescente número de republicanos que retiraram o apoio a Trump.

“Mas o comportamento de Donald Trump esta semana, concluído com a revelação dos seus vexatórios comentários sobre as mulheres e as suas gabarolices sobre assaltos sexuais, tornam impossível que continue a fornecer um apoio mesmo que condicional à sua candidatura”, salientou.

“Cindy e eu não vamos votar em Donald Trump”, acrescenta, numa referência à sua mulher.

“Nunca votei num candidato presidencial democrata e não vou votar por Hillary Clinton. Vamos escrever [no boletim de voto] o nome de algum bom conservador republicano habilitado para ser presidente”, concluiu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.