A fabricante norte-americana de aeronaves deve cumprir a ordem "o mais tardar em abril", assegurou a FAA, que decidiu não deixar em solo a frota de 737 MAX 8, ao contrário do estabelecido na Indonésia e na China.

Funcionários da segurança aeronáutica norte-americana tinham informado que tomariam ações imediatas se identificassem problemas de segurança nos aviões Boeing 737 MAX 8, depois da queda de duas aeronaves deste modelo nos últimos cinco meses.

A FAA notificou outras autoridades internacionais de aviação civil de que em breve poderá partilhar informações de segurança sobre o 737 MAX 8 da Boeing.

Um destes aparelhos, que realizava o voo ET302 da Ethiopian Airlines, caiu no domingo a sudeste de Adis Abeba minutos após a descolagem, resultando na morte das 157 pessoas a bordo.

O mesmo modelo de aeronave - uma versão mais eficiente em economia de combustível do 737 - caiu no final de outubro na costa da Indonésia, também após a descolagem, fazendo 189 mortos.

Uma equipa da FAA está na Etiópia a participar na investigação sobre o acidente de domingo, juntamente com inspetores da Junta Nacional de Segurança do Transporte dos Estados Unidos.

Os investigadores já encontraram as caixas-negras do aparelho, que se dirigia para Nairóbi.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.