“Não há mais nenhum partido em Portugal que defende aquilo que nós defendemos. Tudo aquilo que possa surgir são cópias rascas e não têm futuro e isso vai-se ver”, afirmou João Patrocínio.

O cabeça de lista do PRN, que participou ao final da tarde numa ação de campanha em Almada, respondia desta forma a uma questão colocada pelos jornalistas sobre a coligação Basta, conotada também com a extrema direita.

A animosidade entre o PNR e o Basta ficou também patente nas palavras do presidente do partido, José Pinto Coelho, que teceu “duras” críticas à coligação encabeçada por André Ventura.

“O PNR é o único partido que é diferente dos outros. Essa coligação é do sistema e é a barriga de aluguer de um oportunista”, afirmou.

José Pinto Coelho acompanhou João Patrocínio, integrando uma pequena comitiva que percorreu algumas artérias da cidade de Almada para entregar panfletos e apelar ao voto no partido.

“Vote, minha senhora. Dou-lhe a minha palavra que tem aqui uma alternativa séria”, respondeu José Pinto Coelho a uma senhora que o questionou se no PNR não havia corruptos.

O sentimento de dúvida e de desconfiança foi o dominante durante a abordagem da comitiva aos populares e comerciantes, numa cidade que, segundo João Patrocínio, “é hostil” ao PNR.

“Margem Sul para o PNR nunca é jogar em casa, mas não deixamos de vir. Não temos medo de ir a todo lado. Concorremos em todos os sítios. Portugal não é só os sítios onde somos bem acolhidos”, sublinhou.

Já José Pinto Coelho adiantou que o partido está em contacto com o movimento Europa das Nações e das Liberdades (ENL) para que venha a ser inserido nesse grupo, composto por movimentos da extrema direita.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.