Melchior Moreira foi detido a 18 de outubro de 2018 pela Polícia Judiciária e está a aguardar julgamento em prisão preventiva há mais de três meses no âmbito da investigação designada por Operação Éter.

A defesa do ex-presidente da TPNP tinha requerido, a 21 de janeiro, “apresentações periódicas" em substituição da prisão preventiva aplicada, com o argumento de que o arguido deixou de ter qualquer ligação à TPNP, porque aquela entidade de turismo tinha ganhado a 18 de janeiro um novo presidente, após eleições antecipadas.

Fonte ligada ao processo adiantou à Lusa que o requerimento da defesa de Melchior Moreira não foi aceite e que ia recorrer da decisão judicial.

Melchior Moreira foi destituído da função de presidente da Comissão Executiva da TPNP e está em prisão preventiva desde que foi detido a 18 de outubro do ano passado no âmbito da Operação Éter, uma investigação que ainda está em curso e que está a investigar uma alegada viciação de procedimentos de contratação pública.

A defesa recebeu uma notificação sobre a decisão da juíza na manutenção da prisão preventiva de Melchior Moreira e, por isso, vai recorrer da decisão interpondo um recurso.

Melchior Moreira tinha sido reeleito para a função de presidente da TPNP a 04 de junho de 2018 e era o seu quinto e último mandato na TPNP, depois de ter arrecadado com 98,36% dos votos para um cargo que exercia desde 2008.

No dia 18 de janeiro deste ano, em eleições antecipadas, Luís Pedro Martins, 50 anos, ex-diretor executivo da Torre dos Clérigos do Porto e licenciado em ‘design’ pela Escola Superior de Artes e Design em 1995, passou a ser o sucessor de Melchior Moreira, tendo tomado posse esta terça-feira, dia 05 de fevereiro.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.