Em vários hospitais de norte a sul do país foram apresentados mais de mil pedidos de escusas de responsabilidade por enfermeiros, considerando não ter condições para cuidar dos doentes com segurança e qualidade, adianta o Jornal de Notícias.

O problema está enquadrado nas insuficiências do Serviço Nacional de Saúde, acompanhando os pedidos de demissão que se sucedem por parte de chefias médicas em vários hospitais, como o de Santa Maria, em Lisboa, ou o de Setúbal.

É relativamente a este último caso que a ministra da Saúde foi chamada à Assembleia da República pelo PCP para prestar esclarecimentos, mas Marta Temido deverá ser confrontada com mais questões na Comissão de Saúde.

Ao JN, Ana Rita Cavaco, bastonária da Ordem dos Enfermeiros, confirma que têm entrado sucessivamente pedidos de escusa de responsabilidade e que pretende fazer um levantamento exaustivo destas escusas.

Em Faro, por exemplo, “praticamente todas as equipas do Serviço de Urgência apresentaram escusas”, adianta a bastonária. Já no Hospital de Leiria foram emitidos 1106 pedidos, com a grande maioria dos casos a relacionar-se com défice de pessoal e dinâmicas de serviços. Há mais pedidos a contabilizar-se nas Caldas da Rainha ou em Coimbra, de onde chegaram 75 pedidos do principal Serviço de Urgência do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

Aos pedidos de escusa dos enfermeiros somam-se os dos médicos, partindo de especialidades como a Pediatria, Obstetrícia e Cirurgia Geral de diversos hospitais, disse o bastonário da Ordem dos Médicos ao JN. Para Miguel Guimarães, a situação nos hospitais públicos "é explosiva" e os alertas são ensurdecedores, especialmente tendo em conta as contínuas demissões.

Ao todo, nos hospitais do SNS já houve demissão de chefias em Setúbal, Braga, na Urgência Metropolitana do Porto e no Santa Maria, em Lisboa. São já 400 os médicos que abandonaram o Serviço Nacional de Saúde desde maio, quando terminou a proibição imposta durante o estado de emergência a médicos e enfermeiros de rescindirem com o SNS. Estes valores não incluem aposentações.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.