“Posso afirmar sem medo de errar que são certamente mais de 100 mil alunos” sem todos os professores atribuídos, avançou hoje o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, durante uma conferência de imprensa em que revelou os resultados de um inquérito realizado junto das escolas de todo o país.

O levantamento realizado entre os dias 16 e 23 de setembro com base nas respostas de 27% das escolas do país revelou que a falta de docentes abrange praticamente todas as disciplinas e todas as zonas do país.

“Nestas duas semanas, até dia 23, o ano letivo abriu com ¾ das escolas, ou seja, 73,7% a terem falta de professores”, disse Mário Nogueira, explicando que existem situações muito dispares que vão desde estabelecimentos de ensino onde faltam apenas um docente até casos em que faltam 34: “Tudo aconteceu nas escolas”, disse.

Em 73,7% das escolas faltavam sobretudo professores de Informática, Físico-Química, Português, Matemática, Biologia-Geologia, mas também de educadores de infância e professores do 1.º ciclo, segundo os resultados do levantamento.

Em muitos estabelecimentos de ensino, a falta de professores está a ser colmatada com o recurso a não profissionalizados, “jovens que não optaram pela profissão de professor mas que acabaram por optar por vir dar aulas”, explicou Mário Nogueira.

A situação é mais notória na zona de Lisboa e Algarve, onde “60% das escolas e agrupamentos já tinha recorrido, só nas duas primeiras semanas de aulas, a pessoal não profissionalizado para dar aulas”.

Mário Nogueira criticou esta medida: “Eu gostava de ver as pessoas a submeterem-se a uma cirurgia por gente sem habilitação própria, fazer uma viagem de avião com um piloto sem curso porque já não havia dos outros, mas para as escolas vai-se resolvendo”.

No resto do país, a situação é mais residual. No norte, por exemplo, só 2,7% das escolas recorreu a professores apenas com habilitação própria e, no centro do país, a situação ocorreu em 20% das escolas.

No “retrato do que foi o início do ano letivo”, a Fenprof identificou também a falta funcionários: “Em metade das escolas e agrupamentos deu-se a abertura com falta de trabalhadores não docentes”, disse Mário Nogueira.

Segundo o secretário-geral, a falta de funcionários está a levar as direções de algumas escolas a “obrigar professores a fazer o papel de assistentes operacionais”.

No 1.º ciclo, há diretores a pedir aos professores que fiquem a tomar conta das crianças durante os intervalos, segundo informações que chegaram à Fenprof e foram hoje reveladas por Mário Nogueira.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.