Existem “momentos em que podemos ultrapassar o milhão e meio, dois milhões de pessoas dentro da cidade de Lisboa por causa das festas”, disse Fernando Medina (PS).

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa falava aos jornalistas no final da apresentação das habituais festividades que invadem a capital com marchas, casamentos e sardinhas durante o mês de junho.

Segundo dados dos censos de 2011, a capital tem cerca de 547 mil habitantes.

Questionado sobre o retorno que a cidade tem com estes eventos, Medina salientou que “do ponto de vista económico da vida da cidade é muito significativo”.

“Isto tem um impacto enorme na restauração, na hotelaria, no comércio local, em toda a vida da cidade. E depois também no que é a projeção da cidade, porque as festas hoje são uma montra para aqueles que nos visitam, para aqueles que nos veem pela televisão”, precisou.

Já relativamente ao orçamento das festas, Fernando Medina considerou ser “difícil fazer uma quantificação global porque o conjunto de iniciativas é muito, muito vasto”.

“Não é possível apresentar uma estimativa global. O que podemos dizer é que progressivamente o orçamento das festas da cidade tende-se a ir equilibrando, na medida em que temos feito um esforço para que haja mais patrocinadores e patrocinadores com maior importância financeira”, acrescentou.

Sobre a programação, o presidente da Câmara apontou que “vai ser um mês cheio de animação, de atividades, de festividades, com aqueles elementos mais conhecidos que são os arraiais, os casamentos de Santo António e as marchas”.

Mas as festas juntam o tradicional, como as marchas populares, às “várias expressões artísticas e culturais de vários segmentos diferentes da cidade”, como o teatro, atividades para as crianças ou o fado, referiu.

Na apresentação foram reveladas também as cinco sardinhas vencedoras (eleitas pelo júri) e as cinco menções honrosas (eleitas pelo público), de entre as “mais de quatro mil propostas a concurso”, por autores de 63 nacionalidades, disse também o presidente da Câmara.

A presidente da Empresa Municipal de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), Joana Gomes Cardoso, revelou que "o livro das 500 sardinhas" está de regresso e que se comemora "15 anos [da sardinha] como símbolo das Festas de Lisboa".

Durante todo o mês de junho, as ilustrações vencedoras e outras que foram a concurso vão estar na exposição "Salvem a Sardinha", na Galeria Millennium bcp, na Baixa lisboeta.

As Festas de Lisboa voltam a preencher a agenda cultural da capital durante o mês de junho, assinalando também nesta edição os 120 anos do nascimento do ator Vasco Santana e os 20 anos da Expo’98.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.