Na sétima sessão do julgamento que decorre no Tribunal Central Criminal de Lisboa, o inspetor admitiu que o escritório de advogados que representa a Doyen terá sido igualmente visado – à semelhança do que é imputado a Rui Pinto em relação a Sporting, Doyen, Federação Portuguesa de Futebol, a sociedade de advogados PLMJ e a Procuradoria-Geral da República — por ter sido encontrada uma denúncia do CEO do fundo de investimento à então procuradora-geral Joana Marques Vidal nos dispositivos apreendidos ao criador da plataforma.

“No meio de outras entidades que tiveram o mesmo tipo de problema foi o escritório de advogados que representava a Doyen, a Vieira de Almeida. Com elevada probabilidade, [os documentos] terão sido exfiltrados do escritório Vieira de Almeida”, afirmou a testemunha do processo, sublinhando que foi extraída uma certidão deste processo e que está agora em investigação e sob segredo de justiça.

De acordo com José Amador, a PJ não se alongou sobre esta situação em específico porque “o tempo não dava para mais”, sem deixar de lamentar o indeferimento do pedido de especial complexidade do processo que alargaria o tempo de trabalho da investigação.

“Quando nos deparámos com a realidade daqueles discos, percebemos muito rapidamente que estávamos perante uma coisa de dimensão ímpar. Teríamos de ser 10 vezes mais e provavelmente isso não chegaria para metade [da informação]”, frisou, acrescentando: “Não tivemos muito tempo para a análise dos ficheiros e isso presidiu à seleção das entidades que figurariam na acusação”.

Com efeito, o inspetor realçou que Rui Pinto teria acompanhado desde muito cedo a investigação, ao terem sido encontradas “digitalizações muito vastas do inquérito” e “peças específicas” do processo.

Posteriormente, iniciaram-se a fase de questões dos representantes legais dos assistentes no processo a José Amador, com o inspetor a responder ao advogado da FPF, Pedro Barosa, que a atuação de Rui Pinto seguiria “uma lógica de alvo direcionado”. Por outro lado, evitou definir se isto teria sido obra de uma pessoa só ou de várias, defendendo apenas a existência da “chancela de uma pessoa”, com “evidências e modus operandi específicos”.

Já sobre a eventual cedência das ‘passwords’ de acesso dos discos encriptados às autoridades francesas, que fizeram cópias dos dispositivos durante o período em que Rui Pinto esteve detido na Hungria, o inspetor da Judiciária frisou não ter conhecimento.

“Se deu estas credenciais, eu não sei. Se não as deu, eles não têm forma de lá chegar. Ou deu e eles têm, ou não deu”, sentenciou José Amador, que vai continuar a ser ouvido durante a tarde em tribunal.

Rui Pinto, de 31 anos, responde por um total de 90 crimes: 68 de acesso indevido, por 14 de violação de correspondência e por seis de acesso ilegítimo, visando entidades como o Sporting, a Doyen, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol e a Procuradoria-Geral da República, e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por extorsão, na forma tentada. Este último crime diz respeito à Doyen e levou também à pronúncia do advogado Aníbal Pinto, então representante de Rui Pinto.

O criador do Football Leaks encontra-se em liberdade desde 07 de agosto, “devido à sua colaboração” com a Polícia Judiciária (PJ) e o seu “sentido crítico”, mas está, por questões de segurança, inserido no programa de proteção de testemunhas em local não revelado e sob proteção policial.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.