"Essa avaliação [dos resultados da reforma administrativa feita pelo Governo de Passos Coelho] está a ser feita e acho que é um bom tema para ser revisto após as próximas eleições locais", disse hoje, em Braga, o ministro-adjunto Eduardo Cabrita, que falava à margem de uma conferência na Universidade do Minho que assinalou os 40 anos do Poder Local.

O ex-secretário de Estado Adjunto e da Administração Local salientou ainda que a "pedra angular" de uma "grande reforma" do Estado é a descentralização, "ao lado" da simplificação administrativa.

"Não teve nada a ver com reforma, teve meramente a ver com uma intervenção matemática e a rega e esquadro", considerou Eduardo Cabrita, quando questionado sobre as mudanças no mapa de freguesias realizadas pelo Governo de Pedro Passos Coelho.

"O que estamos a fazer, há um grupo de trabalho que está a funcionar e não quero antecipar conclusões, é para procedermos a uma avaliação. A história não volta atrás. Temos de ver onde é que as coisas funcionaram bem e onde funcionaram mal e discutir isto a olhar para o futuro. Discutir isto pensando face a um novo quadro de competências, que modelo e tipo de freguesias é que queremos", explanou.

Eduardo Cabrita explicou ainda que "falta concretizar o contrato de confiança que este Governo estabeleceu" com as autarquias.

"Depois de anos de costas voltadas, hoje temos um contrato de confiança quer com os municípios quer com as freguesias e a descentralização é a verdadeira pedra angular de uma grande reforma do estado, ao lado da simplificação administrativa, a bem de uma maior eficiência das políticas públicas", referiu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.