O acordo foi anunciado por Habeck após um encontro com o Emir do Qatar, Tamim bin Hamad Al Thani, em Doha.

Habeck disse que o apoio do Emir do Qatar foi maior do que o esperado.

“O dia ganhou ímpeto”, comentou, citado pela agência espanhola Europa Press.

Habeck explicou que as empresas que o acompanham na visita a países do Golfo irão agora negociar os termos dos contratos com o lado do Qatar, mas não deu pormenores sobre os montantes acordados.

O ministro alemão disse que a parceria acordada em Doha inclui não só o fornecimento de gás natural liquefeito, de que o Qatar é um dos maiores exportadores mundiais, mas também a expansão das energias renováveis e medidas de eficiência energética.

A Alemanha planeia construir terminais de gás natural liquefeito ara diversificar as suas fontes de energia e tornar-se menos dependente da Rússia, um objetivo que ganhou ímpeto com a guerra na Ucrânia.

De acordo com o Ministério da Economia alemão, a Rússia é responsável por cerca de 55% das importações de gás da Alemanha.

A Rússia também fornece à Alemanha metade das suas necessidades de carvão e cerca de 55% de petróleo.

O novo Governo alemão, que integra sociais-democratas, Verdes e liberais, suspendeu o gasoduto Nord Stream 2, que transportaria gás russo diretamente para a Alemanha, no âmbito das sanções contra a Rússia por ter invadido a Ucrânia, em 24 de fevereiro.

Desde então, Robert Habeck, dos Verdes, tem procurado outros fornecedores, sendo o Qatar uma das alternativas, a que se segue uma visita aos Emirados Árabes Unidos (EAU).

Antes de partir para o Qatar no sábado, Habeck sublinhou a preocupação do Governo com o fornecimento de energia na Alemanha no próximo inverno.

“Se não recebermos mais gás no próximo inverno e as entregas da Rússia forem limitadas ou interrompidas, não teremos o suficiente para manter todas as casas aquecidas e a nossa indústria a funcionar”, disse à rádio Deutschlandfunk.

Habeck considerou que a melhor forma de a Alemanha conseguir diminuir rapidamente a dependência da Rússia será através de uma aliança internacional.

Nesse sentido, considerou que os parceiros no Qatar e nos EAU são “de importância central”, segundo a agência a agência espanhola EFE.

Os EAU são um dos principais membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), bem como a aliança que agrupa a OPEP com 10 produtores externos, incluindo a Rússia, denominada OPEP+.

A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 25.º dia, provocou um número ainda por determinar de baixas civis e militares, bem como masi de 3,3 milhões de refugiados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.