Para João Correia Neves, Portugal começa a ter "capacidade de, a partir do conhecimento, construir produtos e serviços ajustados às necessidades", sendo que, mesmo assim, "é preciso um esforço maior".

"Temos tradicionalmente essa dificuldade de valorizar o conhecimento, do ponto de vista económico", notou o secretário de Estado da Economia, que falava à agência Lusa no final de uma visita ao Departamento de Engenharia Química da Universidade de Coimbra, depois de também ter estado no Biocant Park, em Cantanhede, e no Instituto Pedro Nunes.

Segundo o governante, "há bons exemplos", mas é necessário os projetos portugueses conseguirem ganhar escala e capacidade de afirmação nos mercados internacionais e isso "faz-se com persistência" e multiplicando os bons exemplos.

João Correia Neves frisou ainda que, para se conseguir chegar aos mercados mundiais, é também necessário ter capacidade de articular o conhecimento produzido nos centros de investigação portugueses com as empresas adequadas, "que tanto podem ser empresas portuguesas como internacionais".

"Em alguns casos, como a saúde, temos empresas de dimensão muito limitada. Se queremos ter patentes para uma escala internacional, temos que ir às empresas de topo dessas áreas e oferecer aquilo que temos de bom", defendeu.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.