"O Governo e eu próprio vemos de forma positiva uma cooperação reforçada entre instituições que têm uma missão social relevante", afirmou Vieira da Silva em Lisboa, à margem do evento que marcou o 40.º aniversário do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social.

O governante foi questionado pelos jornalistas sobre a hipótese hoje noticiada de a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa ser acionista da Caixa Económica Montepio Geral e os problemas que tal poderá levantar, tendo considerado que em causa não está uma "instituição financeira qualquer", mas com origem no setor da economia social.

"Estamos a falar de uma [instituição] que tem por base uma organização da chamada economia social, de matriz mutualista, e a integração com outras organizações que também têm essa origem de instituição de natureza social vejo como positiva", sublinhou.

Vieira da Silva disse ainda que tem o "maior prazer" em responder às questões sobre este tema no Parlamento, tal como pediu o CDS-PP.

Questionado sobre as alterações que estão a ser estudadas quanto à tutela da Associação Mutualista Montepio Geral, atualmente da responsabilidade do Ministério que tutela, Vieira da Silva não quis adiantar o que está em discussão, referindo apenas que está a ser “estudado que algumas funções de instituições mutualistas de maior dimensão sejam supervisionadas por instituições de outra natureza”.

No entanto, recusou confirmar se em causa está passar parte da supervisão para a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF): “Eventualmente, mas não queria avançar”, disse apenas.

Já sobre a revisão do Código Mutualista, o governante referiu que esse assunto está ligado ao da supervisão das instituições mutualistas e que eventuais mexidas serão anunciadas ao mesmo tempo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.