Nas Consultas Externas, apenas algumas especialidades com necessidade de triagem de enfermagem obrigaram doentes a ir para casa, por que, como constava à Lusa Maria Helena Pinheiro, “o que interessa é que esteja o médico”.

Helena acompanhava o marido a uma consulta de Pneumologia, especialidade que faz parte da lista que Elisabete Barreira, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), apontou com uma adesão total dos profissionais à greve.

Além de Pneumologia, os dados recolhidos pela dirigente sindical incluem nas consultas que não estavam a ser realizadas as especialidades de Saúde Materna e Saúde Infantil, mas nos casos em que a consulta carece de triagem de enfermagem.

“O número das que vão ser adiadas também depende da necessidade de fazer triagem ou não da enfermagem”, vincou.

Na recolha que fez durante a manhã no hospital de Bragança, o maior e com mais respostas de saúde do Nordeste Transmontano, concluiu que a adesão à greve dos enfermeiros “está acima dos 75%”.

“Os departamentos mais afetados são os cirúrgicos que estão totalmente em greve, com as consequências que a cirurgia programada terá de ser adiada, não foi realizada”, apontou.

A dirigente sindical não soube quantificar o número de cirurgias adiadas, indicando que “normalmente o Bloco Cirúrgico contempla sempre quatro, cinco doentes por turno, que serão aproximadamente dez, doze doentes durante o dia”.

Afetados estão a ser também, segundo o sindicato, os departamentos de Medicina Interna e Traumatologia.

Na sala das Consultas Externas do Hospital de Bragança, a manhã de hoje apresentava o movimento considerado normal, com o espaço lotado e os avisos sonoros dos interfones a chamar os doentes.

A Lusa falou com vários pacientes que desconheciam ser um dia de greve dos enfermeiros e não se aperceberam de nada, relativamente a consequências.

“Não me apercebi de nada. Continuam a chamar os doentes”, observou Francisco Santos, a aguardar pela sua vez para a consulta com o ortopedista, depois de já ter realizado um raio X.

Nos dois centros de saúde da cidade de Bragança não aparentavam consequências visíveis da paralisação, com apenas uma adesão no da Sé e quatro enfermeiros em greve no de Santa Maria.

Os enfermeiros realizam hoje e sexta-feira uma greve pela “valorização e dignificação” destes profissionais e que ficou agendada apesar da marcação de um calendário de negociações com o Governo sobre as suas 15 reivindicações.

A greve, marcada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), começou no turno da manhã de hoje e termina às 24:00 de sexta-feira.

Segundo o SEP, os objetivos desta greve prendem-se essencialmente com a valorização e dignificação dos enfermeiros. O sindicato reivindica o descongelamento das progressões, com a contagem dos pontos justamente devidos a todos os enfermeiros, independentemente do tipo de contrato de trabalho.

A contratação imediata de 500 enfermeiros e de mais 1.000 enfermeiros entre abril e maio é outra das reivindicações, assim como “a ocupação integral dos 774 postos de trabalho colocados a concurso” para as Administrações Regionais da Saúde (ARS).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.