A paralisação foi convocada inicialmente pelos tripulantes de cabine das bases de Portugal, Espanha, Bélgica, Holanda, Itália e Alemanha, mas entretanto os pilotos da Holanda e da Alemanha anunciaram que se juntam também ao protesto.

A companhia aérea irlandesa está há vários meses envolvida em conflitos laborais com os seus trabalhadores nos vários países europeus, que se queixam de que a empresa não cumpre as leis laborais dos países onde estão sediados, violando os seus direitos.

A Ryanair comprometeu-se na quarta-feira a negociar os acordos coletivos com os tripulantes de cabine antes do fim do ano, incluindo salários, tempos de descanso e contratações diretas de pessoal.

A companhia irlandesa comprometeu-se ainda a negociar com os pilotos, antes de 31 de dezembro, nomeadamente, matérias salariais, turnos, licenças anuais, mudanças de base e progressões nas carreiras.

Segundo a empresa, a greve deverá afetar cerca de 30.000 passageiros, que foram informados do cancelamento do seu voo, assim como das opções disponíveis.

A transportadora aérea de baixo custo anunciou ter pré-cancelado mais de uma centena de voos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.