Os protestos iniciados pelo STOP no início de outubro vão continuar até, pelo menos, ao dia 29 de novembro, disse à Lusa o coordenador do STOP, André Pestana.

Nas primeiras seis semanas de greve fecharam seis escolas, mas nas duas últimas semanas encerraram 20, segundo contas do STOP que, perante a adesão de cada vez mais estabelecimentos de ensino decidiram prolongar os protestos.

Na próxima segunda, professores, funcionários, pais e alunos vão realizar um cordão humano em torno da Secundária de Amarante com cartazes alertando para os problemas da escola pública, explicou.

Os motivos das greves têm vindo a aumentar: no início começou como um protesto contra a presença de amianto nas escolas, mas entretanto passaram a incluir também a violência nas escolas, a falta de funcionários e professores, os baixos salários e a precariedade.

O dirigente do STOP recordou que desde que as greves tiveram início, a 4 de outubro, houve milhares de alunos sem aulas em protestos que contaram, quase sempre, com o apoio das escolas e encarregados de educação.

“Temos tido o apoio dos pais porque estamos a lutar pela resolução de problemas que realmente os preocupam”, sublinhou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.