Numa breve cerimónia no início da reunião do cartel petrolífero, hoje em Viena, o ministro da Energia da Arábia Saudita, Jalid al Falih, deu as boas-vindas ao novo membro, entregando a bandeira da organização ao seu homólogo equato-guineense, Gabriel Obiang Lima, que expressou o agradecimento pela aceitação do seu país na OPEP.

A Guiné Equatorial passa assim a ser o sexto país africano na organização, juntando-se a Angola, Argélia, Gabão, Líbia e Nigéria, e é o segundo país lusófono a estar presente neste cartel petrolífero que representa a maioria da produção petrolífera mundial.

Com 1,2 milhões de habitantes e um dos maiores PIB per capita de África, apesar da maioria da população viver na pobreza, a Guiné Equatorial é o segundo membro que produz menos petróleo, a seguir ao Gabão.

Em abril, a Guiné Equatorial produziu cerca de 300 mil barris de petróleo por dia, muito abaixo dos cerca de 1,8 milhões de Angola, o maior produto africano, a par da Nigéria.

Em dezembro, a Guiné Equatorial já tinha aderido ao acordo de redução da produção de petróleo até junho deste ano, que os ministros deverão hoje prolongar até março do próximo ano.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.