O dia 26 de dezembro é um daqueles dias que tem tudo para ser triste. Vejo-o, na verdade, como um estágio para o primeiro dia de janeiro, o mais triste do ano, na minha opinião, em que após um longo período de festas somos confrontados com o cansaço e a necessidade de regressar à rotina de trabalho do novo ano, ainda com os enfeites de Natal, agora menos entusiasmantes do que há dois ou três dias, a pintar as ruas, rotundas e avenidas.

Para alguns, há uma coisa que os eleva perante o ténue cambalear entre as festas e o regresso ao quotidiano: o calendário louco da Premier League.

Hoje, 26, dia conhecido como Boxing Day, houve nove jogos na liga inglesa. Enquanto os principais campeonatos europeus, incluindo o português, enfrentam uma paragem, em Terras de Sua Majestade, o Tottenham venceu o Brighton, Mikel Arteta estreou-se no banco como treinador do Arsenal e Ancelotti como técnico do Everton.

É uma tradição natalícia que faz mais uma vez uso do futebol para nos fazer pairar sobre as pequenas frustrações mundanas  de termos de voltar a acordar cedo. É um privilégio para os adeptos de futebol.

Para a restante população, aquela que está preparada para voltar em força ao mundo, há uma coisa com caráter de urgência que urge ser tratada: o ataque terrorista à sede da produtora brasileira Porta dos Fundos.

Sei que escrevi sobre o tema ontem. Ainda incrédulo com o acontecimento, dediquei-lhe poucas palavras. Hoje, mais distanciado, urge recordar como as imagens do ataque ao Charlie Hebdo, em janeiro de 2015, nos deixaram sem chão, como toda aquela violência nos fez pensar no absurdo que é, em pleno século XXI, ainda não sabermos conviver com a liberdade do outro, dos outros. É urgente voltar a pensar nisso, por que é de liberdade que se trata - de novo.

Há quatro anos a discussão foi fundamental e hoje não será menos, quando tal acontece num país liderado por um político populista e ligado a grupos católicos conservadores. Não pode existir qualquer tipo de hesitação ou distinção por em 2015 falarmos de sátiras à religião muçulmana e de um ataque de rebeldes muçulmanos e de hoje, uma sátira ao cristianismo e um ataque bárbaro por um grupo católico. A liberdade não pode ser fragilizada por “seres superiores”, sejam eles de que origem for - mesmo que seja dia 26 de dezembro. Nem um grande golo de Kane nos pode deixar colados ao sofá.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.