O homem foi condenado a “uma pena de 14 anos de prisão maior e ao pagamento de multa de 250 salários mínimos da função pública”, equivalente a cerca de 15.700 euros, disse David Foloco, juiz da causa, durante a leitura da sentença, citado pela Televisão de Moçambique.

O cidadão foi detido em janeiro, em Vilanculos, na província de Inhambane, na posse de 8,4 quilos de cavalos-marinhos, uma espécie protegida e em vias de extinção.

Segundo o juiz, deverá ainda pagar uma indemnização a favor do Estado moçambicano, no valor de 829 mil meticais (11 mil euros).

A defesa diz que vai recorrer da sentença, considerando-a “injusta e gravosa” por “não existir prova material” que justifique a pena.

O advogado Roberto Pedro pede uma decisão “mais justa e baseada apenas naquilo que é o processo judiciário”, disse.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.