“Foi um erro clamoroso da Justiça, que teve consequências irreparáveis na vida do meu cliente, e o Estado tem de pagar por isso”, disse à Lusa o advogado Paulo Gomes.

Segundo o advogado, o cliente, Armindo Castro, até o curso superior que frequentava perdeu.

“Quando, depois de ter cumprido dois anos e meio de prisão por um crime que não cometeu, tentou retomar os estudos, o curso que frequentava já tinha sido extinto”, referiu.

Atualmente com 33 anos, Armindo Castro frequentava o curso de Ciências Forenses e Criminais, quando foi detido pelo alegado homicídio da tia, ocorrido em março de 2012.

Foi julgado no Tribunal de Famalicão e condenado a 20 anos de prisão, por homicídio qualificado.

A condenação assentou, essencialmente, na reconstituição dos factos que Armindo Castro fez perante a Polícia Judiciária (PJ), sem a presença de qualquer advogado.

Entretanto, a Relação tinha baixado a pena para 12 anos, imputando ao arguido o crime de ofensas à integridade física qualificadas, agravadas pelo resultado morte.

Em dezembro de 2014, Armindo Castro foi libertado, depois de um outro ter ido à GNR de Guimarães assumir a autoria do homicídio.

Armindo Castro foi novamente julgado e acabou por ser absolvido, em janeiro de 2018.

Entre prisão preventiva e cumprimento de pena, passou dois anos e meio na cadeia.

Durante o segundo julgamento, Armindo Castro explicou que, quando foi detido pela PJ, aceitou fazer a reconstituição do crime por se sentir "ameaçado" e por temer que a mãe, também presente nas instalações da Judiciária do Porto, ficasse detida.

Disse ainda que, ao longo da filmagem da reconstituição, a PJ lhe foi dando "sugestões", a que anuiu por "um misto de estupidez, pânico e medo".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.