Os três juízes, escolhidos pela chefe do Governo de Hong Kong, sustentaram que o jovem, funcionário de um restaurante, defendera a independência da antiga colónia britânica e agora região administrativa especial chinesa, noticiou o South China Morning Post (SCMP).

Tong Ying-kit, de 24 anos, hasteou uma bandeira negra numa moto, na qual se podia ler “Libertem Hong Kong: revolução do nosso tempo”, palavras que o tribunal concluiu que se tratava de uma tentativa de incitar à secessão.

Por outro lado, os juízes entenderam que o residente cometeu também um ato terrorista ao atropelar com a moto três polícias – símbolo da lei e da ordem – e ao intimidar algumas pessoas nas ruas.

O antigo empregado de mesa já tinha sido condenado na terça-feira, mas só hoje foi lida a sentença. O antigo empregado de mesa tinha sido acusado de conduzir uma moto contra um grupo de agentes da polícia, a 1 de julho do ano passado, precisamente um dia depois de Pequim ter imposto a lei de segurança nacional ao território, na sequência de meses de protestos pró-democratas e antigovernamentais em 2019.

Mais de 100 pessoas foram detidas ao abrigo desta lei, que prevê penas de prisão perpétua para casos de secessão, subversão, terrorismo ou conluio com forças estrangeiras.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.