O estilista Hubert de Givenchy, lenda da alta-costura, conhecido pela sua colaboração com a atriz Audrey Hepburn, morreu aos 91 anos, anunciou esta segunda-feira, 12 de março, à AFP, o seu companheiro, em comunicado.

"O senhor De Givenchy faleceu enquanto dormia no sábado, 10 de março de 2018", informou o também estilista Philippe Venet.

Desde o seu primeiro desfile, em 1952, até ao momento em que abandonou a carreira, em 1995, a maison que levava o seu nome marcou o mundo da moda pela elegância das suas criações, entre as quais o famoso vestido preto usado por Audrey Hepburn, em 1961, na adaptação ao cinema da novela de Truman Capote "Breakfast at Tiffany's" ("Boneca de Luxo"), de Blake Edwards.

A imagem de Givenchy encontrou reforço nos figurinos concebidos para cinema, nas décadas de 1950 e 1960, em filmes como "Funny Face/Cinderela em Paris" e "Charade", de Stanley Donen, "Bom dia, Tristeza", de Otto Preminger, "O Tesouro de África", de John Huston, "Sabrina" e "Ariane", de Billy Wilder, protagonizados por atrizes como Audrey Hepburn, em particular, mas também Jean Seberg e Deborah Kerr.

Hubert de Givenchy despediu-se do mundo da alta-costura em julho de 1995, apresentando em Paris a sua última coleção, depois de 43 anos de uma carreira dedicada à “elegância”. “A elegância reside na simplicidade. Uma mulher que sabe escolher uma camisola, uma saia de flanela, uma maquilhagem discreta, é por si elegante, pois soube perceber o que lhe convinha”, afirmou o famoso costureiro à data. “Não gosto da extravagância que consiste em juntar uma enormidade de coisas para parecer moda”, explicou numa entrevista à AFP.

A maison Givenchy prestou homenagem ao seu fundador, uma "personalidade inesquecível do mundo da alta-costura francesa, símbolo da elegância parisiense durante mais de meio século". "Ainda hoje a sua abordagem à moda e sua influência perduram. A sua obra continua a ser tão pertinente hoje como antes", acrescentou a empresa em comunicado.

"Entre os criadores que colocaram Paris definitivamente no topo da moda mundial a partir dos anos 1950, Hubert de Givenchy deu à sua casa de moda um lugar à parte. Tanto pelos seus vestidos de gala, como pelos seus trajes diários, Hubert de Givenchy soube reunir duas qualidades raras: ser inovador e atemporal", disse Bernard Arnault, presidente da LVMH, grupo ao qual a maison Givenchy foi vendida em 1988.

Hubert de Givenchy nasceu a 21 de fevereiro de 1927. Formado pela escola de Jacques Fath, Lucien Lelong e Elsa Schaparelli, Hubert Givenchy denotava uma enorme admiração por Balenciaga. A fama de Givenchy cresce rapidamente e em 1957 lança os seus perfumes.

“Tive o enorme privilégio de encontrar no início da minha carreira Audrey Hepburn [durante 40 anos a musa do costureiro, que a vestia na rua como em cena] e Jackie Kennedy, que foram a minha melhor publicidade”, afirmou em vida.

Em 1988, Hubert de Givenchy vendeu a sua casa de moda [da qual permaneceu como diretor artístico] ao número um mundial, o grupo LVMH.

Aos 68 anos, decidiu por fim à sua carreira. “Vendi o meu nome”, confessava. No entanto, estava certo de que tinha tomado uma decisão “inteligente”.

Uma grande exposição do trabalho de Givenchy foi realizada no ano passado, em Calais, no norte da França, região de onde o estilista era originário.

O Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, detém exemplares de Givenchy, no seu acervo de alta-costura, entre os quais um vestido de 'cocktail', com uma túnica negra.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.