Walsh será recomendado hoje como substituto de De Juniac na 76.ª assembleia geral anual da associação, que desta vez se realiza virtualmente devido às limitações que a covid-19 ainda obriga em muitos países.

A IATA sublinhou que De Juniac, antigo presidente da aliança Air France-KLM, tinha expressado desejo de abandonar o cargo há vários meses.

Desde então, começou um processo de transição que culminará com a chegada de Walsh, antigo presidente executivo da International Airlines Group (IAG), empresa-mãe de companhias aéreas como a Iberia e a British Airways.

A IATA engloba quase 300 companhias aéreas em todo o mundo, representando 80% da indústria, e este ano enfrenta um dos seus exercícios mais duros, durante o qual, depois de uma queda de 71% na procura no segundo trimestre, teme-se que se percam 4,8 milhões de postos de trabalho em companhias aéreas globais, mais de 40% do total.

De Juniac, sétimo diretor-geral da IATA, ocupa o cargo desde setembro de 2016 e afirmou, quando anunciou a sua partida, que, apesar da atual crise, a IATA “está no bom caminho para recuperar as ligações aéreas” com iniciativas como a substituição das quarentenas por testes de deteção de covid-19 nos aeroportos.

Salientou também que as companhias aéreas da associação já se estão a preparar para satisfazer as necessidades de distribuição de vacinas à medida que estas se tornam disponíveis, o que parece estar próximo.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.