No nordeste da Sibéria, 93 fogos florestais ativos queimaram cerca de 1,1 milhões de hectares na região de Sakha-Yakutia, de acordo com oficiais locais, tornando-a a região mais afetada da Rússia.

Um fogo isolou dezenas de casas na aldeia de Byas-Kuel, e todos os residentes foram retirados, de acordo com as forças de emergência responsáveis no local.

Os fogos também estiveram perto das aldeias de Kytyl-Dyura, Sinsk, Yedyai e várias outras povoações, com os ventos fortes a aumentarem o perigo da propagação das chamas.

Na aldeia de Sangary, as equipas de emergência estavam a tomar medidas para proteger instalações de fornecimento de petróleo, segundo a AP.

Nos últimos anos, a Rússia tem registado temperaturas altas, que os cientistas veem como resultado das alterações climáticas.

O tempo quente, conjugado com negligência nas regras de segurança contra incêndios, causaram um aumento no número de fogos.

Os especialistas também associam o agravamento dos incêndios com uma decisão de 2007 de descontinuar uma rede federal de aviação encarregada de detetar e combater fogos, passando-a para as autoridades regionais, o que levou ao rápido declínio da força de combate, refere a AP.

As florestas, que cobrem grandes áreas do território russo, o maior do mundo, tornam a deteção de novos incêndios um desafio.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.