Rui Santos referiu que, por volta das 02:00, o fogo estava com “perímetro definido” e que a sua situação mais difícil se situava na zona da aldeia de Couto.

Num balanço à agência Lusa, o presidente salientou que há o registo de seis feridos ligeiros, cinco bombeiros e um civil, devido à inalação de fumo, uma queda e queimaduras ligeiras.

Referiu ainda que “não existem habitações destruídas” e que ardeu o jardim de uma escola, uma casa em ruínas e uma vacaria, sendo que os animais foram salvos.

As pessoas que por precaução foram retiradas de algumas aldeias, e que foram alojadas temporariamente no Regimento de Infantaria 13 (Ri13), já regressaram às suas habitações.

São pessoas idosas, doentes ou mais vulneráveis e que foram retiradas por causa do fumo intenso e da proximidade do incêndio.

No combate ao fogo, que deflagrou cerca das 16:30 de quarta-feira, junto à aldeia de Paredes, estão cerca de 450 operacionais e 120 viaturas.

O combate foi reforçado com grupos de bombeiros provenientes do Porto, Braga, Bragança e Viseu, elementos da Força Especial de Bombeiros e do Grupo de Intervenção Proteção e Socorro (GIPS) da GNR.

Rui Santos disse ainda que, de manhã, serão solicitados meios aéreos para ajudar no combate ao fogo, salientando que o grande inimigo dos operacionais é o vento intenso.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.