"Estamos a tentar diligenciar com as grandes empresas que adquirem este tipo de matéria-prima", disse Pedro Marques, referindo que os contactos feitos vão no sentido de se ter "uma espécie de central de compras da matéria ardida".

A iniciativa justifica-se pela necessidade de que os valores de transação de matéria ardida sejam adequados, valores dignos e não especulativos de aproveitamento da situação dos produtores locais", explicou o governante, que falava durante a apresentação do relatório sobre os incêndios que afetaram a região Centro, que decorreu hoje na Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos com a presença dos sete municípios que foram afetados pelos incêndios: Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pera, Penela, Sertã, Pampilhosa da Serra e Góis.

O processo "está em desenvolvimento", procurando "a remuneração digna" daquela matéria.

O ministro afirmou também que vão rapidamente para o terreno as medidas que garantam "a reposição rápida" da capacidade produtiva dos agricultores, face à forte presença da agricultura de subsistência neste território.

Para Pedro Marques, é fundamental "a recuperação urgente das empresas e da agricultura de subsistência", vincando que haverá fundos a que os produtores se possam candidatar, com a ajuda dos municípios e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

Dois grandes incêndios deflagram em 17 de junho em Pedrógão Grande e Góis, tendo o primeiro deles provocado 64 mortos e mais de 200 feridos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.