“Acho que seria interessante não só pousar um dispositivo em Vénus, mas trazer solo para a Terra. Seria um avanço decisivo na ciência do espaço. E sabemos como fazê-lo”, garantiu Dmitri Rogozin.

Segundo este responsável, os especialistas russos já sabem como cumprir essa tarefa do ponto de vista da engenharia e do design de dispositivos.

A próxima missão a Vénus, o projeto russo-americano “Vénus-D”, está prevista para 2027-2029, mas, até agora, segundo a RIA Novosti, não conta com financiamento da Rússia.

Estima-se que a realização do projeto exigirá, da Rússia, um investimento de 17.370 milhões de rublos (cerca de 202 milhões de euros) nos próximos 10 anos.

Rogozin não especificou se os planos de recolha de amostras do solo venusiano estão incluídos no projeto “Venus-D” ou se serão executados em missões subsequentes, mas o diretor da Roscosmos indicou que preferia que se tratasse de uma missão russa e não conjunta com os Estados Unidos.

Para Dmitri Rogozin, o estudo de Vénus é mais importante do que o de Marte, já que pode ajudar a prevenir o desenvolvimento do efeito estufa na Terra.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.