Mais de 7.500 suspeitas de reações adversas às vacinas contra a covid-19 foram notificadas em Portugal, entre as quais 51 casos de morte em idosos, segundo um relatório do Infarmed hoje divulgado.

"Os casos de morte ocorreram num grupo com uma mediana de idades de 78,5 anos e não pressupõem necessariamente a existência de uma relação causal com a vacina administrada, uma vez que podem também decorrer dos padrões normais de morbilidade e mortalidade da população portuguesa”, salienta o “Relatório de Farmacovigilância – Monitorização da Segurança das Vacinas contra a covid-19 em Portugal”.

Das reações notificadas como “graves”, 1.814 foram classificadas como “clinicamente importantes” (23,9 %), 867 geraram incapacidade (11,4 %), 220 motivaram hospitalização (2,9%), 80 representaram “risco de vida” (1%) e 51 morte (0,7%).

A maioria das reações foi registada em mulheres, com 2.153 notificações de casos graves e 3.158 não graves.

Em relação aos homens, foram comunicadas ao Infarmed 573 reações adversas graves e 989 não graves, sendo a faixa etárias dos 30 aos 49 anos as que registam mais notificações.

A reação mais notificada é a mialgia (2.418), seguida de dores de cabeça (2.129), dor no local de injeção (2.013), febre (1.934), náusea (868), calafrios (862), fadiga (827), dores musculares ou nas articulações (687), alterações/aumento dos gânglios (564), fraqueza ou fadiga (398), tonturas (396), dor (389), mal-estar (380), vómitos (365) e diarreia (300).

Dos casos classificados como graves, cerca de 90% dizem respeito a situações de incapacidade temporária na sua maioria, refere a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde.

“Se um caso contiver mais do que uma RAM (a situação mais frequente), basta que uma dessas reações adversas seja classificada como grave para que todo o caso também o seja”, sublinha, explicando que esta classificação segue critérios da Organização Mundial de Saúde, mas é feita pelo notificador, seja este um profissional de saúde ou um utente.

O Infarmed ressalva que estes dados “não permitem a comparação dos perfis de segurança entre vacinas, uma vez que estas foram utilizadas em subgrupos populacionais distintos (idade, género, perfil de saúde, entre outros) e em períodos e contextos epidemiológicos distintos”.

O Infarmed refere que, com o decorrer do programa de vacinação, e o estímulo à notificação de suspeitas de RAM, também o número de notificações associadas a vacinas contra a covid-19 tem aumentado.

“No entanto, ao consideramos o número de notificações de casos de RAM (ou o subgrupo dos casos graves de RAM) face ao número total de indivíduos vacinados, verifica-se que a razão entre ambos tem vindo a diminuir”, salienta.

Segundo autoridade do medicamento, “isto pode dever-se a vários fatores, nomeadamente a um viés introduzido pela priorização no processamento dos casos graves de RAM, um fenómeno que tem ocorrido praticamente em todos os sistemas de farmacovigilância”.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, já morreram em Portugal 17.061 pessoas dos 862.926 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.