A campanha “terá lugar no final de janeiro, altura em que esperamos ter as primeiras doses destinadas às categorias mais expostas”, informou hoje Roberto Speranza no congresso dos farmacêuticos italianos, acrescentando que “esta campanha de vacinação sem precedentes irá requerer uma mobilização extraordinária de todos”.

Numa altura em que o movimento de oposição à vacinação conta com cada vez mais apoiantes italianos, o ministro relembrou que as vacinas representaram sempre um passo em frente na história da humanidade.

“Hoje falamos de uma possibilidade concreta. Dentro de pouco tempo teremos à nossa disposição este instrumento para que o Ser Humano tenha capacidade de reação diante deste grande desafio”, acrescentou.

Na sexta-feira, o comité técnico-científico italiano — organismo público encarregue de aconselhar o Governo na luta contra a pandemia — relembrou que a presença da agência italiana do medicamento e das agências internacionais de regulação dão todas as garantias sobre a segurança das vacinas.

Esta posição surge depois de Andrea Crisanti, reputado virologista italiano, ter afirmado que não estaria disponível para ser vacinada, porque “normalmente são necessários entre cinco a oito anos para produzir uma vacina”.

Segundo uma sondagem do instituto Ipsos para o canal de televisão La7, 16% dos italianos inquiridos dizem recusar a vacina, que estará disponível em 2021, sendo que 42% preferem esperar para medir a eficácia. Além disso, 58% acreditam que não haverá vacina para todos.

A Itália foi primeiro país europeu a ser duramente atingido pela primeira onda do coronavírus. Registou até agora pelo menos 1,34 milhões de casos, dos quais mais de 48.000 foram fatais. A península está atualmente dividida em diferentes áreas em função dos riscos da pandemia, que vão do vermelho ao amarelo e ao laranja. Todo o país deve aderir a um toque de recolher ativo entre as 22:00 e as 05:00.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.373.381 mortos resultantes de mais de 57,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.824 pessoas dos 255.970 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.