O responsável esteve na capital sul-coreana antes de partir para Tóquio, na sua primeira visita ao estrangeiro como membro da administração Trump, numa altura em que surgem preocupações sobre o caminho que os Estados Unidos vão seguir na região, sob a liderança de um presidente protecionista.

A Coreia do Sul tem contado com a proteção dos Estados Unidos desde a Guerra da Coreia (1950-53), mas durante a campanha Trump ameaçou retirar as forças norte-americanas do país e do Japão se não aumentassem o seu apoio financeiro.

Cerca de 28.500 tropas norte-americanas estão destacadas na Coreia do Sul, e 47 mil no Japão, para defesa contra a Coreia do Norte, com armamento nuclear.

Pyongyang tem insistido em “retórica e comportamento ameaçador”, disse Mattis.

“Qualquer ataque aos Estados Unidos ou aos seus aliados será vencido e qualquer uso de armas nucleares seria recebido com uma resposta efetiva e esmagadora”, afirmou Mattis aos jornalistas antes do encontro com o seu homólogo sul-coreano, Han Min-Koo.

Em Seul, Mattis quis “sublinhar o compromisso prioritário da América com a aliança bilateral” e tornar claro que a nova administração está “totalmente comprometida” em defender a democracia sul-coreana.

A Coreia do Norte realizou dois testes atómicos e vários lançamentos de mísseis balísticos no ano passado.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.