“Se tivermos de pular os muros, pularemos. Mas se tivermos de os derrubar, também os derrubaremos (..) Não estamos adormecidos. Estamos a preparar o momento oportuno e isso responde a uma estratégia”, disse Juan Guaídó, em Caracas.

O líder da oposição falava para centenas de simpatizantes no Colégio Médico de Caracas (equivalente à Ordem dos Médicos), onde apresentou o Roteiro Nacional de Conflitos, com as próximas ações orientadas para que haja eleições livres no país.

“Iremos juntos à Assembleia Nacional, à casa das leis, da civilidade, caminhando, marchando com força. Iremos erguer-nos em cada canto e esquina do país (…), mas não podemos esperar até 10 de março”, declarou, referindo que na próxima quinta-feira haverá um protesto convocado pelos estudantes.

Guaidó garantiu estar disposto a “aceitar o sacrifício que for necessário” caso o Governo venezuelano ordene que seja detido ou detenha algum familiar seu, porque “é hora de avançar, para abrir as portas da democracia”.

Segundo Juan Guaidó, o protesto é uma mensagem para o regime de que a oposição não cede e que se mantém firme nos objetivos de afastar do poder o Presidente do país, Nicolás Maduro, convocar um regime de transição e eleições livres.

“[É] uma mensagem à ditadura e ao mundo que nos vê”, acrescentou.

Guaidó referiu que os venezuelanos têm vários problemas, como falta de acesso à saúde ou à eletricidade, baixos salários e que os “jornalistas são perseguidos por informar” e quem pensa diferente “é torturado”.

Como parte dos pedidos da oposição está um Conselho Nacional Independente, um Supremo Tribunal de Justiça imparcial, mais apoio internacional, a liberdade de imprensa e a participação política de todos os venezuelanos.

Juan Guaidó foi reeleito, em janeiro último, presidente da Assembleia Nacional por uma centena de deputados opositores.

Também em janeiro, alguns deputados opositores e uma minoria de parlamentares afetos ao regime elegeram Luís Parra como presidente da Assembleia Nacional.

Desde então, a oposição tem tido dificuldade em aceder ao edifício.

A crise política, económica e social, na Venezuela, agravou-se desde janeiro de 2019, quando o presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó jurou assumir as funções de presidente interino do país até afastar Nicolás Maduro do poder, convocar um governo de transição e eleições livres.

Juan Guaidó conta com o apoio de mais de 50 países, entre eles Portugal, uma decisão tomada no âmbito da União Europeia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.