Segundo o Ministério Público (MP), a decisão instrutória, alicerçada no despacho de acusação, imputa a 21 arguidos, “em coautoria material e na forma consumada, a prática de ilícitos criminais, designadamente o crime de fraude fiscal qualificada e o crime de fraude fiscal, na forma continuada”, responsabilizando-se ainda 14 “arguidas sociedades pela perpetração dos mencionados ilícitos criminais”.

O MP adianta que, “no início do ano de 2008, um dos arguidos, atuando por si e em representação de algumas das arguidas sociedades, delineou um plano a executar no âmbito de exploração e comercialização de pedra mármore, em bruto ou já transformada, e a sua subsequente exportação para a Arábia Saudita, devendo ser criado um circuito documental que diferia tanto do giro financeiro, como do real trajeto físico dos bens”.

“Tal circuito consistia em transações fictícias (no âmbito de emissão de faturas sem que existisse na realidade o bem transacionado, permitindo o pedido de reembolso de IVA) e em operações simuladas (correspondentes a operações comerciais que não refletiam o real circuito da transação comercial em causa)”, refere o ‘site’.

O MP acrescenta que “no período compreendido entre os anos de 2008 a 2011 a este plano aderiram os demais arguidos com residência ou sede em diversas cidades do país”, que agiram “por si e na qualidade de legais representantes das sociedades arguidas”.

O objetivo foi o de “obterem à custa do Estado Português vantagens patrimoniais fiscais que sabiam que não lhes eram devidas, para si e para as referidas sociedades comerciais, fazendo-o por meio de simulação de fluxos económicos, nomeadamente através de reembolsos de IVA a que não tinham direito, empolando custos e diminuindo artificialmente os lucros com efeitos no IRC e/ou IRS a pagar por cada um dos intervenientes”.

A investigação foi realizada pelo Ministério Público no Departamento de Investigação e Ação Penal de Leiria, com a coadjuvação da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária.

Os arguidos aguardam julgamento sujeitos a termo de identidade e residência e serão julgados por um tribunal coletivo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.