O líder da JP, Francisco Mota, esteve presente na iniciativa que “voltou a reerguer o 'outdoor' que foi vandalizado” às portas da Quinta da Atalaia, no Seixal, e referiu ter sido “insultado” durante semanas seguidas, destacou a nota.

“Depois de semanas seguidas a insultarem-me, ameaçarem-me e a pressionarem-me a desistir de lutar pela igualdade de circunstâncias no meu país, atacam desta forma a liberdade de expressão política da JP”, destacou o responsável, citado no comunicado intitulado “O Partido Comunista é o dono disto tudo”.

Francisco Mota revelou ainda que a JP apresentou queixa “junto da PSP” e exigiu que haja “imediatamente por parte do Ministério Público uma investigação cabal a estas ações”.

“Seremos, sempre, oposição aos extremismos, mas não é pelo Partido Socialista ter estadizado a extrema-esquerda que pode ser normalizada”, apontou.

“Rasguem a justiça, rasguem a igualdade, rasguem-nos os cartazes. Nunca nos calarão. Por mais que a extrema-esquerda nos ameace, não vergaremos, porque os valores da liberdade nunca serão hipotecáveis”, disse ainda.

Nas imagens divulgadas juntamente com o comunicado, além da queixa-crime apresentada na PSP, é possível ver elementos da JP junto ao cartaz com uma mensagem crítica para com a festa novamente visível.

Para o líder da organização juvenil do CDS-PP, “na Atalaia, neste fim de semana vive-se ‘O País das Maravilhas': Sem Impostos, sem restrições e o único festival de verão em 2020 em Portugal. O Partido Comunista virou o dono disto tudo!".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.