Prestes a completar 51 anos neste mês, Anthony Rapp,  protagonista da série "Star Trek: Discovery", apresentou em setembro de 2020 uma queixa contra Spacey por supostas insinuações e agressão sexual durante uma festa em Manhattan, Nova Iorque, há 36 anos.

Na mesma época em que o movimento #MeToo, liderado por mulheres da indústria cinematográfica, derrubou o intocável produtor Harvey Weinstein no final de outubro de 2017, Rapp denunciou Spacey pela primeira vez em detalhe ao BuzzFeed News.

Premiado ator de teatro, cinema e televisão, Kevin Spacey Fowler, de 63 anos, desapareceu das telas e palcos desde que foi uma das primeiras celebridades varridas pela onda global #MeToo, originada nos Estados Unidos.

O ator, cuja fama mundial foi construída desde os anos 80, graças às personagens que encarnou em filmes como "Beleza Americana" e "Os Suspeitos do Costume", ou no seu mais recente trabalho na série televisiva "House of Cards", negou sempre as acusações de agressão sexual.

Um dia após a denúncia de Rapp à imprensa, Spacey ofereceu as suas "mais sinceras desculpas" pelo seu "comportamento bêbado e profundamente inapropriado".

Depois da denúncia em 2020, o processo de Rapp foi arquivado no tribunal criminal federal mas progrediu na esfera civil. Devido a esse avanço, Spacey começou a ser julgado a partir das 14h30 por um júri popular, no tribunal federal civil de Manhattan, presidido pelo juiz Lewis Kaplan.

"Spacey irá comparecer na quinta-feira, e durante todo o julgamento. Esperamos que possa defender-se perante um júri imparcial", disse a sua advogada, Jennifer Keller, por e-mail. Kevin Spacey pode ser condenado a pagar uma grande indemnização por danos.

A acusação inicial de "agressão sexual" feita por Rapp, entretanto, não foi definitivamente mantida pelo juiz Kaplan. O presidente do tribunal considerou que essa classificação não poderia abranger factos já prescritos, além de não poder ser enquadrada na lei estadual de proteção aos menores de idade de 2019, em Nova Iorque.

O magistrado reconheceu que na festa de Nova Iorque, no ano de 1986, "segundo o testemunho de Rapp, Spacey levantou-o e 'esfregou' a sua mão durante alguns segundos na roupa que cobria as nádegas de Rapp. Logo depois, Spacey colocou Rapp numa cama, de costas, e depois deitou-se completamente vestido, breve e parcialmente, em cima de Rapp", com apenas 14 anos.

Portanto, o adolescente rapidamente "escapou" e foi-se embora da festa, de acordo com o tribunal. Rapp, de resto, consentiu que "não houve beijos nem nudez, nem toques dentro da roupa, nem declarações ou insinuações sexuais" na sua declaração, 35 anos depois.

O acusado já teve problemas com a Justiça tanto nos Estados Unidos como no Reino Unido.

Em agosto, um juiz da Califórnia condenou Spacey a pagar quase 31 milhões de dólares à produtora da série "House of Cards", da qual já tinha sido demitido após as acusações de assédio sexual, que sempre negou.

Em Londres, está a ser julgado por agressões sexuais a três homens, entre março de 2005 e abril de 2013, quando era diretor de teatro. Spacey declarou-se inocente no mês de julho.

Por fim, em Massachusetts, Spacey foi acusado de atentado ao pudor e também agressão sexual contra uma trabalhadora de 18 anos num bar, em julho de 2016. As acusações foram retiradas em julho de 2019.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.