De acordo com o autarca, o trânsito vai estar proibido na cidade “a partir de hoje”, às 20:00 (18:00 em Lisboa) e até às 07:00 (05:00 em Lisboa) de quinta-feira.

Além disso, e “por decisão do comando militar ucraniano”, as deslocações serão proibidas “sem autorização especial”, exceto “para ir para a refúgios subterrâneos antibombardeamento”, disse.

Klitschko sublinhou que a capital vive um momento difícil e perigoso, referindo-se aos últimos bombardeamentos russos que atingiram bairros residenciais e provocaram a morte de dezenas de pessoas.

A circulação na cidade “sem um passe especial passa a ser proibida, pelo que só se pode sair para chegar a casa”, explicou o presidente da capital ucraniana.

O autarca pediu ainda a todos os habitantes de Kiev que se preparem para a obrigação de ficar em casa durante dois dias ou, caso soe um alarme, para se recolherem num abrigo.

Os combates intensificaram-se nos últimos dias em torno de Kiev, que está quase completamente cercada. Mais da metade de seus três milhões de habitantes fugiram. A capital está “sitiada”, segundo um assessor do presidente ucraniano.

O anúncio de recolher obrigatório acontece no mesmo dia em que está prevista a visita dos primeiros-ministros da Polónia, Mateusz Morawiecki, da República Checa, Petr Fiala, e da Eslovénia, Janez Jansa, que irão, como representantes do Conselho Europeu, encontrar-se com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e o primeiro-ministro, Denys Chmygal.

O objetivo desta visita é “reafirmar o apoio inequívoco de toda a União Europeia à soberania e independência da Ucrânia e apresentar um pacote abrangente de medidas de apoio ao Estado e à sociedade ucraniana”, refere o comunicado publicado no ‘site’ do Governo polaco.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.