O foguetão Longa Marcha 2F partiu à hora prevista, 09:22 (02:22 em Lisboa) do Centro de lançamento espacial de Jiuquan, no deserto de Gobi (noroeste), de acordo com as imagens transmitidas em direto pela televisão estatal CGTN.

Os três astronautas, Nie Haisheng, Liu Boming e Tang Hongbo vão passar três meses no primeiro módulo da estação Tiangong [Palácio Celestial], que deverá estar concluída em 2022 e ter uma vida útil de pelo menos dez anos no espaço.

Centro de controlo e habitação dos astronautas, este primeiro módulo foi colocado na órbita terrestre, entre 350 e 390 quilómetros de altitude, em abril.

A decisão de construir uma estação espacial chinesa surgiu depois da recusa dos Estados Unidos de deixarem a China participar na Estação Espacial Internacional (ISS).

A ISS, que reúne os Estados Unidos, a Rússia, o Canadá, a Europa e o Japão, deve deixar de estar operacional em 2024, apesar de a agência espacial norte-americana NASA ter já mencionado a possibilidade de prolongar o funcionamento até 2028.

“Estamos prontos a cooperar com qualquer país empenhado numa utilização pacífica do espaço”, declarou, na quarta-feira, um responsável da agência de voos tripulados chinesa (CMSA), Ji Qiming.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.