Segundo a KCNA, Kim presidiu na segunda-feira a uma reunião da Comissão Militar Central do Partido dos Trabalhadores e encorajou as forças armadas a realizarem “façanhas sempre vitoriosas” e a exibirem “força militar inigualável” para iniciar uma nova fase no desenvolvimento do país.

A presença de Kim na reunião marcou o regresso do líder norte-coreano às atividades públicas após um hiato de cerca de 40 dias.

Os membros da comissão, os principais dirigentes militares da Coreia do Norte, discutiram “grandes mudanças” nas forças armadas, incluindo “expandir e intensificar constantemente a operação e os exercícios de combate” e “aperfeiçoar mais estritamente a preparação para a guerra”, disse a agência.

A comissão também discutiu mudanças organizacionais para “melhorar e fortalecer fundamentalmente” os assuntos militares, sendo que as fotos da reunião mostram a bandeira de um novo “departamento geral de mísseis”.

Lee Sung-jun, porta-voz do Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul, disse hoje numa conferência de imprensa que Seul está a vigiar de perto a possível criação por parte do Norte de um novo departamento militar relacionado com mísseis.

A Coreia do Norte disparou cerca de 70 mísseis balísticos em 2022, incluindo oito mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) e três mísseis de cruzeiro, de acordo com dados divulgados pela agência de notícias sul-coreana Yonhap na véspera de Ano Novo.

Lee Sung-jun disse que os militares sul-coreanos detetaram um “aumento significativo de pessoal e veículos” em áreas da capital, Pyongyang, relacionado com ensaios para um desfile que poderá marcar o 75.º aniversário da fundação do exército norte-coreano, na quarta-feira.

O regime de Pyongyang agendou para o final do mês uma importante reunião política para discutir a “tarefa urgente” de melhorar o setor agrícola, um sinal de possível agravamento da insegurança alimentar devido ao isolamento económico do país.

É raro a Coreia do Norte convocar uma reunião plenária sobre um único tópico, neste caso a agricultura, salientou na segunda-feira o porta-voz do Ministério da Unificação da Coreia do Sul, Koo Byoungsam, em conferência de imprensa.

“O governo vai acompanhar de perto a situação alimentar e as tendências internas da Coreia do Norte”, disse Koo, acrescentando que a Coreia do Sul estima que a produção alimentar norte-coreana caiu cerca de 4% em 2022, para 4,5 milhões de toneladas.

A emergência da pandemia da covid-19 desencadeou um novo golpe na já débil economia da Coreia do Norte, forçando a nação a proteger o sistema de saúde com controlos fronteiriços rigorosos que estrangularam o comércio com a China, o principal aliado económico do país. A Coreia do Norte foi também atingida por tufões e inundações devastadoras em 2020, que dizimaram as colheitas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.