A filha do ex-Presidente Alberto Fujimori (1990-2000) vai aguardar em liberdade o resto da investigação sobre o alegado financiamento ilegal das suas campanhas eleitorais.

Centenas de apoiantes e militantes do partido Força Popular esperavam Fujimori à saída da prisão, incluindo o marido, o norte-americano Mark Vito, que há 18 dias se declarou em greve de fome para exigir a sua libertação.

Nas primeiras declarações à imprensa, a líder da oposição afirmou que os últimos meses foram “os mais dolorosos” da sua vida, durante os quais teve oportunidade “para refletir e pensar nas coisas que poderia ter feito melhor”.

A ex-candidata presidencial acrescentou que o Tribunal Constitucional corrigiu um processo “cheio de abusos e arbitrariedades” e assegurou que vai continuar a colaborar com a Justiça ao longo da investigação.

Keiko Fujimori vai continuar a ser investigada devido ao financiamento, construtora brasileira Odebrecht, das suas campanha eleitorais, em 2011 e 2016.

Executivos da construtora admitiram ter contribuído com um milhão de dólares para a campanha de Fujimori em 2011 e com outra quantia em 2016.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.