O Grande Ayatolah Nasser Makarem Chirazi disse na quinta-feira que “não considera a violência e a pressão eficazes na questão do ‘hijab'”, o véu obrigatório para mulheres.

O Irão tem sido abalado por protestos desde a morte, em 16 de setembro de 2022, desta iraniana curda de 22 anos, após ter sido detida em Teerão pela polícia de costumes, que a acusou de ter quebrado o rígido código de indumentária, por não usar o hijab’.

Chirazi, conhecido pelas suas posições conservadoras, fez a declaração durante um encontro com o ministro da Cultura, Mohammad-Mehdi Esmaili, na cidade sagrada de Qom (centro), de acordo com a AFP.

“O presidente e os ministros devem saber que estão numa situação difícil. É verdade que o inimigo está muito ativo, mas não estamos num impasse”, disse Chirazi, conhecido pelas suas posições ultra conservadoras, durante um encontro com o ministro da Cultura do Irão, Mohammad-Mehdi Esmaili.

Na quarta-feira, o ministro do Turismo, Ezzatollah Zarghami, também já tinha apelado a uma maior tolerância face ao uso do véu no espaço público.

Em sentido contrário, em 10 de janeiro, a Autoridade Judicial tinha indicado que queria reabilitar uma lei que prevê sanções severas, como o exílio, para quem não respeitar a obrigação de usar o véu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.