Em Caracas, Maduro disse ainda que "devemos respeitar o que diz o Poder Eleitoral". "Se queriam invocar o referendo este ano, tinham de ter pedido a 11 de janeiro deste ano [um dia depois da metade do mandato presidencial] para que os tempos lhes fossem dados, se cumprissem os requisitos", insistiu.

Maduro também declarou que, na segunda-feira (13), "entramos com as ações" de nulidade no Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) contra o processo revogatório. O presidente alega que a primeira recolha de assinaturas continha quase 11.000 mortos e quase 2.000 condenados por crimes, o que o governo classificou de "fraude".

Com o regulamento do próprio Conselho Nacional Eleitoral (CNE) em mãos, a oposição garante que o referendo pode ser realizado este ano, entre final de outubro e novembro. Para avançar no processo de convocação do referendo, a oposição venezuelana deve validar 1,3 milhão de assinaturas, a partir de 20 de junho.

O CNE tem até 23 de julho para rever as assinaturas recolhidas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.