De acordo com uma sondagem independente da Universidade de Quinnipiac, no Connecticut, 59% dos entrevistados disseram estar "otimistas sobre os próximos quatro anos com Donald Trump como presidente", enquanto 37% responderam estar pessimistas. Apenas 17% consideraram que Trump será um "grande" presidente e 32% acreditam que será um "bom" chefe de Estado. Uma percentagem mais baixa de entrevistados demonstrou uma perspectiva mais negativa: 26% consideraram que será um "mau" presidente e 17%, "não tão bom".

Outra sondagem realizada pela CNN/ORC, e também divulgada nesta terça-feira, revelou que 53% dos americanos pensa que Trump fará um trabalho "muito bom" ou "suficientemente bom" como presidente.

A transição de poder, que será concluída a 20 de janeiro, aparentemente inspira certa confiança na Presidência de Trump. Segundo a sondagem da CNN/ORC, 48% dos entrevistados disseram sentir-se mais confiantes contra 43% que estão menos confiantes.

O que parece irritar os americanos, no entanto, é o constante uso que Donald Trump faz do Twitter para comunicar sobre os mais diversos temas. Segundo a sondagem da Universidade de Quinnipiac, 59% dos eleitores consideram que o futuro presidente deveria encerrar sua conta no Twitter, contra 35% que pensam o contrário.

"Os eleitores estão a dizer ao presidente eleito Donald Trump: 'Conseguiu o trabalho. Agora, seja um líder e não esteja no Twitter", explicou Tim Malloy, diretor adjunto da sondagem da Quinnipiac. "E estamos vigilantes para assegurar que colocará o país como prioridade e não a marca Trump", acrescentou.

A sondagem da Quinnipiac foi feita com 1.071 eleitores ao nível nacional e a da CNN/ORC, com 1.003. As duas pesquisas foram realizadas entre 17 e 20 de novembro por telefone e sua margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.