"Todos foram afetados pela morte desta jovem. Não tenho os números mais recentes, mas acho que tivemos talvez mais de 300 mártires e pessoas mortas neste país, incluindo crianças, desde este incidente", revelou o brigadeiro-general Amirali Hajizadeh, chefe da divisão aeroespacial da Guarda do Irão, num vídeo publicado pela agência de notícias Mehr.

O saldo inclui dezenas de policiais, soldados e milícias mortos em confrontos com manifestantes ou assassinados.

Este número oficial está muito mais próximo dos "416 mortos na repressão de protestos no Irão", referidos recentemente pelo grupo Iran Human Rights, com sede em Oslo.

O grupo diz que este seu saldo inclui os mortos relacionados aos protestos pela morte de Mahsa Amini e em distúrbios distintos na província de Sistan-Baluquistão, no sudeste.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.