Entre as vítimas, segundo o OSDH, que tem sede em Londres e conta com uma vasta rede de fontes médicas e militares em toda a Síria, contam-se 112.623 civis, dos quais mais de 21 mil são crianças e 13 mil mulheres.

Desencadeado com a repressão violenta pelo regime de manifestações pró-democracia pacíficas, o conflito na Síria transformou-se, ao longo dos anos, numa guerra complexa, que implica grupos rebeldes, movimentos fundamentalistas islâmicos e potências estrangeiras num território cada vez mais fragmentado.

Cerca de 125 mil soldados sírios e membros de milícias aliadas morreram até agora, de acordo com o novo balanço do OSDH. Também 67 mil combatentes de outras forças, nomeadamente rebeldes e curdos, foram mortos, de acordo com o OSDH.

Perto de 66 mil homens, nomeadamente do grupo extremista Estado Islâmico (EI) e do Hayat Tahrir al-Cham (HTS), antigo ramo da rede terrorista Al-Qaida na Síria, foram mortos, indicou a ONG.

O conflito desalojou ou obrigou ao exílio milhões de sírios, enquanto várias ONG continuam a denunciar violações dos direitos humanos perpetradas pelo regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, que acusam de efetuar ataques químicos, torturas e detenções arbitrárias. Al-Assad negou que o regime possua armas químicas.

O último balanço do OSDH, datado de setembro, registava já mais de 360 mil mortos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.