No total, 261 jornalistas e ‘media’ foram vítimas de atos contra a liberdade de imprensa entre 18 de abril, quando começaram as manifestações contra o Presidente do país, Daniel Ortega, e 18 de outubro, de acordo com um relatório da fundação presidida pela antiga Presidente Violeta Barrios de Chamorro, no poder de 1990 a 1997.

Entre as vítimas figura o jornalista Ángel Gahona, morto com um tiro na cabeça quando fazia a cobertura, na cidade de Bluefields, de uma manifestação a exigir a saída do Presidente Ortega e da mulher, a vice-Presidente, Rosario Murillo.

Desde o início da crise, a violência contra jornalistas independentes aumentou com “ferimentos, agressões físicas”, roubos de equipamento e entraves ao trabalho jornalístico, segundo o relatório.

A fundação assinalou 77 agressões, 71 atos de intimidação, 64 atos de censura, 62 ameaças, 33 casos de difamação e 26 ataques verbais.

Estes atos foram praticados na maioria por polícias, paramilitares partidários do regime e membros do partido sandinista no poder, segundo o relatório.

A violência política na Nicarágua já fez mais de 320 mortos desde abril, quando começaram as manifestações contra o regime de Daniel Ortega e de Rosario Murillo, acusados pelos adversários de nepotismo e de corrupção.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.