A marcha realizada hoje foi convocada pelos movimentos de centro e direita, que em 2016 mobilizaram milhões de pessoas em todo o Brasil para pressionar a abertura de um processo político com vista ao afastamento da então Presidente, Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT).

Cinco anos depois, os promotores do protesto – Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem Pra Rua – pedem agora o início de um ‘impeachment’ contra Bolsonaro, que nos últimos meses fomentou uma crise institucional.

A decisão está nas mãos do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, mas até agora este político não deu luz verde a nenhuma das dezenas de pedidos que foram encaminhados ao Congresso.

Apesar disso, a pressão contra o chefe de Estado brasileiro aumentou esta semana, depois de ele ter encabeçado, no passado dia 07, manifestações convocadas pela extrema-direita, em que muitos dos presentes exigiram uma “intervenção militar” e a dissolução do Congresso e do Supremo Tribunal.

O próprio Bolsonaro sugeriu mesmo a desobediência às decisões de alguns membros do Supremo Tribunal, em nome dos valores da liberdade, afirmação que foi duramente condenada por altos representantes do poder legislativo e judiciário.

Os protestos de hoje, porém, tiveram menos participação do que os convocados pela extrema-direita, devido, em parte, à divisão da oposição.

Políticos de direita e esquerda participaram na marcha, mas a manifestação não teve o apoio do Partido dos Trabalhadores do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, principal rival político de Bolsonaro e contra quem também se ouviram críticas durante o protesto.

“Quem é democrata no Brasil deve entender que o ‘impeachment’ é a única saída para nos proteger da grave e violenta demarcação que Bolsonaro está a planear”, disse o ex-candidato presidencial Ciro Gomes, do Partido Democrático Trabalhista (centro-esquerda), que defendeu a unidade de todas as forças democráticas contra o Presidente brasileiro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.